Dá pra medir o quanto somos felizes?

Relatório Mundial da Felicidade

Eu ainda me espanto com a medição de índices de felicidade e considero algo bem ousado para nossa humanidade e modelos de sociedade. Mas grandes instituições vêm fazendo isso há mais de uma década, sempre com foco em medir e atuar nas condições para a felicidade. Desde que a ciência começou a investir em entender essa busca e capacidade subjetiva dos ser humano, muita coisa linda vem surgindo sobre nossa essência e potencialidades para encontrar sentido e significado na vida. 

Por isso, convido a olhar para os dados do Relatório Mundial da Felicidade, uma pesquisa publicada anualmente, chancelada pela ONU, sobre o estado da felicidade no planeta. Ela é editada pelo economista Jeffrey Sachs, junto a outros professores acadêmicos, desde 2012, e começou utilizando dados de pesquisa da Gallup. Importante lembrar que tem muita coisa relevante nesse relatório, que chegou à 10º edição em 2022 e foi lançado em abril. Aqui vou trazer apenas alguns recortes.  

Para começar, a inspiração para a pesquisa veio do reconhecimento do sistema Felicidade Interna Bruta – FIB, iniciativa pioneira do Butão, apontada como um novo paradigma socioeconômico em sessão da ONU, em 2012. O Butão, um país pobre nos himalaias, percebeu que medir o PIB (produto interno bruto) já não refletia a condição das pessoas e de seu país. Mesmo em países considerados ricos economicamente, como os Estados Unidos, observou-se que apesar do PIB crescente, os índices de bem-estar subjetivo despencavam. Assim como aumentavam os índices de depressão e suicídio. O FIB ainda será tema por aqui também. Por hora, vamos ao relatório e como estamos em 2022.  

Considero importante saber os critérios utilizados pela pesquisa, que incluem o PIB/per capita, mas somam-se a ele: expectativa de vida no nascimento; existência de uma rede de apoio; percepção de corrupção; liberdade para fazer escolhas; generosidade, além da avaliação subjetiva da felicidade. Essas são as métricas atuais que dão o cenário para o relatório. Ao completar dez anos, a publicação traz algumas constatações:   

  • Satisfação com a vida caiu a partir de 2011;
  • Desigualdade em bem-estar aumentou a partir de 2011;
  • Aumentou também a preocupação e a tristeza das pessoas; 
  • Aumento no nível de stress e manutenção da sensação de raiva. 

Às vezes vejo dados como esses e penso que bastaria olhar ao redor, nas nossas próprias vidas, e das pessoas mais próximas, para tirar as mesmas conclusões. Se a gente fizer um olhar um pouco mais amplo para questões sociais, econômicas e políticas do país, certamente esses itens acima se confirmariam também. E precisamos lembrar que eles se refletem em todo nosso modo de viver e trabalhar. 

Por outro lado, o interesse pelos temas Felicidade e Bem-estar aumentou acentuadamente nos últimos dez anos. E isso foi medido através da busca por essas palavras em livros publicados em todo mundo. A pesquisa acadêmica sobre Felicidade e Bem-estar explodiu nesse período e a medição de aspectos antes considerados muito subjetivos só aumenta: gratidão, altruísmo, resiliência, generosidade, todos são temas de pesquisas nas maiores universidades do mundo. Já obras e estudos com os termos renda e PIB, por exemplo, caíram.  

Mas quem são os países mais felizes, segundo a pesquisa? Do total de 146 nações do relatório, em 2022, os primeiros lugares são:

  1. Finlândia
  2. Dinamarca
  3. Islândia
  4. Suíça
  5. Holanda
  6. Luxemburgo
  7. Suécia
  8. Noruega
  9. Israel
  10. Nova Zelândia

O Brasil aparece em 38ª posição e está numa trajetória de se afastar a cada ano das primeiras posições, em 2015 era o 16º. Os últimos são Zimbábue, Líbano e Afeganistão. Para entender melhor o bom posicionamento dos países nórdicos, Sachs destacou fatores que refletem o peso de aspectos sociais dentro da felicidade como: segurança e bem-estar social; confiança nas pessoas e instituições; bom funcionamento e instituições democráticas e eleição de partidos que preservam instituições. 

E para encerrar, existe outro ponto em comum aos países nórdicos e que faz parte dos critérios da pesquisa para o relatório mundial da felicidade, citado lá em cima: a liberdade para fazer escolhas, permitida pela alta proteção social que a população desses países possui. Essa liberdade não é aquela oriunda da força interna de cada um, da essência ou Eu interior, mas a liberdade de fazer escolhas sem perder condições mínimas de sobrevivência e dignidade. Esse aspecto é importante para que se possa atuar nas condições para a felicidade.

No próximo texto seguiremos essa trilha…

Até mais!
Grazi Gotardo


Leia os artigos anteriores:

 

Uma resposta

  1. Ótima matéria Grazi. É incrível como na vida temos esta balança visível, entre a renda bruta e a felicidade. Países como os EUA despencam na tristeza ao lado do enriquecimento materialista, outros, aprenderam a balancear o $$ e a felicidade, pois precisamos de ambas para viver. Muitas vezes o caminho do meio parece estar nebuloso, mas ele está lá.

    Adorei! ♥

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Artigos Relacionados

A história dos 7 anos de Círculo Escola.