O legado civilizatório na sabedoria de Thoth

Escola de Mistérios

Atenta, ó homem, para este mistério:
Há muito tempo no passado antes que foste nascido homem,
morei na Antiga Atlântida.
Lá no Templo,
bebi da Sabedoria,
vertida como uma fonte da Luz do Residente.
Dou a chave para ascender à
Presença da Luz no Grande mundo.
Estava eu diante do Santo
entronado na flor de fogo.
Velado estava ele pelos raios da escuridão,
até que minha Alma pela Glória foi partida.
(Tábua das Esmeraldas)

Continuamos incessantemente na busca pela compreensão dos segredos de nossa origem, e para quem está disposto a percorrer uma jornada e ver com olhos de ver e com a mente aberta, os mistérios do antigo Egito e o seu legado civilizatório nos abrem infinitas possibilidades nessa procura.

Thoth, na mitologia egípcia, é o deus da sabedoria, do conhecimento e da luz, representado com o corpo humano e a cabeça de um Íbis. Chamado de o Mestre da palavra divina, foi atribuído a ele a revelação das ciências intelectuais, sendo o arquivista dos deuses, foi escriba da deusa Maat, deusa da justiça e da verdade e registrava toda a sabedoria e conhecimento dos deuses.

Toth antes de tornar-se deus, foi um rei-sacerdote que fundou uma colônia do antigo Egito, após o dilúvio da Atlântida, local de sua origem. De lá, ele trouxe para o legado da civilização registros secretos de sua sabedoria antiga.

No momento de sua vida no antigo Egito, diz a lenda que ele, sendo imortal, regeu a antiga raça humana durante 16.000 anos, sociedade essa que havia alcançado um alto grau de civilização. Após chegar o seu tempo de deixar o antigo Egito, descendentes de seus discípulos o divinizaram como Thoth, o Deus da Sabedoria, tendo o controle de toda a magia.

De acordo com a Tábua de Esmeraldas, o ego de Toth passou para o corpo de outros homens, encarnando três vezes, e em sua última existência foi conhecido como Hermes Trismegistus, o nascido três vezes ou três vezes grande.

Em sua encarnação como Hermes, nos deixou o legado da Tábua de Esmeralda, com escritos sobre os antigos mistérios, que deu origem à alquimia e foi estudado e divulgado pelos ocultistas hermetistas da modernidade.

A simbologia de Thoth nos ensina que na sabedoria está o caminho para retirar de nós o véu de Ísis e acessar os segredos universais. A busca pela sabedoria com autonomia é necessária para a nossa evolução, e a sabedoria do antigo Egito possui as chaves do reino para nosso entendimento se estivermos dispostos a olhar para além. Entender as raízes da origem, pode nos ajudar a acessar os segredos de nossa mente e o nosso despertar exatamente no local e tempo em que estamos.

Juliana Rissardi

*Fonte usada nas pesquisas: Tábua das Esmeraldas de Thoth, tradução de Wilson de Mello Franco, Ed. século XXI, ano 2000.


 ASSISTA A PRIMEIRA AULA DO CURSO ABERTO ESCOLA DE MISTÉRIOS

5 respostas

  1. Adorei!! E uma vez que vc vê, não tem como desver!!! Só buscar mais e mais informação!!!
    Parabéns Ju!!!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Artigos Relacionados

por Juliano Pozati
por Grazieli Gotardo