A Ascensão Global da Infelicidade

A visão de Jon Clifton, da Gallup

Líderes, em geral, utilizam indicadores para o crescimento das empresas. Por exemplo, se você perguntar a CEOs quais indicadores acompanham, provavelmente dirão o crescimento de receita ou o preço das ações. Com líderes mundiais, é mais difícil saber. Eles diriam PIB? Desemprego? A taxa de pobreza? Talvez o rei saudita diga os preços do petróleo.

Não sei bem qual seria a resposta deles, mas sei o que eles não diriam. Nenhum deles diria felicidade.

Como resultado, nenhum deles sabe exatamente quanta infelicidade existe no mundo hoje. E isso é preocupante porque a infelicidade está em um nível recorde. De acordo com Gallup, as pessoas sentem mais raiva, tristeza, dor, preocupação e estresse do que nunca.

Agora, você deve estar pensando: “Eu não precisava de dados para saber isso. A pandemia fez com que todos ficassem infelizes. Por que isso é surpreendente?”

A COVID-19 foi ruim para todos, mas não podemos culpar o aumento da infelicidade apenas devido a pandemia. A miséria global estava subindo bem antes disso e, na verdade, a infelicidade vem aumentando constantemente há uma década, e sua ascensão tem estado no ponto cego de quase todos os líderes mundiais.

Quase tudo é medido: emissões de CO2, o tamanho das populações de favelas urbanas, a contribuição do turismo para a economia de cada país e até mesmo o número de árvores no deserto do Saara. Mas enquanto pesquisas medem quase tudo, não se mede sistematicamente como as pessoas se sentem.

Prezados 7,7 bilhões de cidadãos do mundo, como vão suas vidas?

Em 2006, a Gallup começou a conduzir pesquisas globais sobre o bem-estar subjetivo, que é usado de forma intercambiável com a “felicidade”. O objetivo da pesquisa era relatar definitivamente – por país – como estava a vida das pessoas a partir de sua perspectiva. O mundo estava ficando mais estressado? As pessoas estavam mais esperançosas? Estavam ficando mais enraivecidas?

Este trabalho representa agora mais de 98% da população mundial e, a partir deste escrito, inclui mais de 5 milhões de entrevistas. É notável como as pessoas estão abertas a compartilhar sua tristeza, sua dor ou sua raiva. Mas também é preocupante o fato de que muito mais pessoas estão compartilhando conosco estas emoções negativas.

Mas por quê? Por que tantas outras pessoas estão se sentindo desta maneira?

A resposta tem a ver com uma desigualdade com a qual o mundo não está familiarizado. Os líderes entendem a desigualdade de renda e a crescente divisão entre os paraísos financeiros e os que não têm. O que eles não entendem é a crescente divisão entre os que têm e os que não têm uma vida feliz. Isso é chamado de desigualdade de bem-estar.

No início de cada pesquisa de bem-estar, pedimos às pessoas que nos digam quão boa é a sua vida. Aqui está a pergunta textualmente:

“Por favor, imagine uma escada com degraus numerados de zero na parte inferior a 10 na parte superior. O topo da escada representa a melhor vida possível para você e o fundo da escada representa a pior vida possível para você. Em qual degrau da escada você diria que se sente pessoalmente de pé neste momento?”

Quando fizemos esta pergunta pela primeira vez ao mundo em 2006, 3,4% das pessoas disseram à Gallup que suas vidas eram um 10 – a melhor vida possível. E apenas 1,6% disseram que suas vidas era zero – a pior vida possível.

Após 15 anos de acompanhamento, esses números mudaram significativamente. O número de pessoas que viveram suas melhores vidas mais do que dobrou (para 7,4%), enquanto o número de pessoas que viveram suas piores vidas mais do que quadruplicou (para 7,6%).

E a situação piora.

Se você isolar os 20% de pessoas globalmente que classificam suas vidas como as melhores e compará-las com os 20% de pessoas que classificam como as piores, descobrirá quão desigual o mundo está se tornando em termos de bem-estar e felicidade.

Em 2006, os 20% do mundo que classificaram suas vidas como as melhores tinham uma média de vida de 8,3. Os 20% que indicaram como as piores tinham uma média de vida de 2,5.
Agora olhe para 2021.

Os 20% que classificaram suas vidas como as melhores tinham uma média de 8,9, e os 20% que classificaram suas vidas como as piores tinham uma média de vida de 1,2. A lacuna nessas classificações de vida é agora de 7,7 pontos – a mais alta na história do rastreamento da Gallup. Os 20% do topo dificilmente poderiam estar fazendo melhor, e os 20% de baixo dificilmente poderiam estar fazendo pior.

Você pode pensar que a desigualdade de renda explica a desigualdade de bem-estar e, portanto, a crescente infelicidade. Isso certamente faz parte disso. Mas uma vida feliz é mais do que apenas dinheiro.

Depois de estudar os 20% das pessoas que relatam ter uma vida feliz, a Gallup descobriu que elas têm cinco coisas em comum:

  • são realizadas por seu trabalho;
  • têm pouco estresse financeiro;
  • vivem em grandes comunidades;
  • têm boa saúde física;
  • têm entes queridos aos quais podem recorrer para pedir ajuda.

Os 20% das pessoas que classificam suas vidas como as piores têm muito pouco de qualquer uma dessas coisas. Não têm um trabalho de qualidade, sua renda não é suficiente para sobreviver, vivem em comunidades quebradas, têm fome ou desnutrição e não têm ninguém na vida com quem possam contar para pedir ajuda. E os 20% que classificam suas vidas tão baixo estão ficando mais tristes, mais estressados e com mais raiva do que nunca.

Esse é um dos assuntos do mais recente livro lançado pela Gallup, de autoria de Jon Clifton, com versão ainda apenas em inglês:

 

***Tradução livre do artigo de Jon Clifton: https://news.gallup.com/opinion/gallup/401216/global-rise-unhappiness.aspx

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Artigos Relacionados

A história dos 7 anos de Círculo Escola.