Magia e Responsabilidade

“Faça o que tu queres, pois há de ser tudo da lei”

Obter conhecimentos ocultos e mágicos é sempre acompanhado de uma grande responsabilidade. Através da magia e do conhecimentos de leis universais, é possível (às vezes com anos de prática), controlar muitas coisas na sua vida e ao seu redor e muitas vezes nossas escolhas também afetam a vida dos demais.

Exatamente por isso, antes de realizar qualquer ato mágico, reflita se o que está pedindo e querendo transformar é realmente o que você quer, pois você pode conseguir! Nem sempre pensamos nas consequências daquilo que desejamos para nós na ansiedade do querer, mas a carga que vem depois é muito maior do que poderíamos aguentar.

Isso vale também para quando queremos modificar a vontade do outro. Nunca devemos fazer nenhum tipo de magia sem permissão, não devemos mudar o destino do outro sem que o outro queira, mesmo que seja para a cura. Nunca sabemos o que o outro tem que passar, seus carmas, aprendizados e o que ele está gerando para si em vida, por isso, mexer com alguma coisa sem autorização, é de certa forma, trazer carmas e consequências para você mesmo, mesmo que seja com o propósito de ajudar.

Nosso livre arbítrio vem acompanhado de nossas escolhas, e toda escolha tem consequências, é uma lei natural. O ocultista Aleister Crowley (1875-1947) nos deixou uma lei na filosofia de Thelema*, que parafraseando é “Faça o que tu queres, pois há de ser tudo da lei”. Para alguém que entenda essa frase literalmente, poderia dizer que fazer tudo é liberado, porém existe um grande ensinamento nesta frase. O fazer na lei de Thelema é um ato de Vontade, e Crowley diz que agir de acordo com a verdadeira Vontade é agir destituído de vícios, desejos efêmeros e ilusão, ou seja, o homem ou a mulher agindo sob a verdadeira vontade, não é capaz de fazer o mal.

Uma outra lei muito conhecida é a Rede Wiccana ou em outras vertentes da bruxaria, a lei do retorno. “Tudo o que fizeres voltará para ti três vezes”, ou “Faça o que tu queres, sem a ninguém prejudicar”. Os estudantes e praticantes sérios da bruxaria e ciências ocultas em geral possuem a sabedoria dessas leis, que não são tão difíceis de entender se pensarmos o que gostaríamos que fizessem para nós, então preocupe-se e observe seus atos, seus desejos… são de amor? Se você hesitar nessa resposta, é melhor repensar.

…Poder fazer e abster-se é possuir duplo poder (Éliphas Lévi)…

Juliana Rissardi
Bruxa Sacerdotisa dos caminhos

* A filosofia de Thelema, que afirma o direito inerente de todo homem e de toda mulher a construir uma ética pessoal conforme as bases de sua Única e Verdadeira Natureza, portanto é uma filosofia que toma tanto como base, quanto como objetivo o próprio homem. É uma Lei de Liberdade em que a Verdadeira Vontade é alçada ao máximo e identificada com a centelha divina que habita em cada homem e cada mulher, correspondendo, em seu grau mais elevado, a um produto direto e concreto do Deus que habita em cada um de nós. (Fonte: OTO.br)

5 respostas

  1. Belo texto. Aprendi várias técnicas de cura, mas vejo nelas a responsabilidade do que possa acontecer ao outro se não for feita da forma correta e com o coração. Como manipular a energia do outro, é necessário um boa dose de conhecimento. Então não basta querer ajudar, é necessário muito estudo quando se fala em curar o outro. Talvez eu seja perfeccionista demais, mas prefiro a certeza do que a dúvida. E quando temos em nosso íntimo a vontade de ajudar, olhamos o sofrimento das pessoas e queremos ajudar o mundo, mas como no texto, precisamos saber se realmente a pessoa quer ser ajudada. Adorei o texto. Gratidão!!

    1. É exatamente isso, Jacque! Não é nos isentar da ajuda, mas sim usar nosso entendimento e conhecimento com responsabilidade. Toda magia, técnica, tem seu preço. Grande abraço, e obrigada por acrescentar! <3

  2. Confesso que fiquei preocupada. Todos os dias, quando não faço terapias a quem mas solicita, tenho por hábito, pedir aos meus Guias ou Mestres que me indiquem quem necessita de ajuda. Por norma surgem nomes conhecidos ou não, lugares ou para o Universo. Peço sempre licença ao espírito do nome indicado, antes de iniciar a terapia. No final, agradeço-lhe. Será que não devo fazê-lo? Só houve uma vez que me senti muito mal. Nessa altura, aflita, chamei pelo Arcanjo Miguel e tudo foi serenando.

    1. Olá, Judite! Como vai? No caso do artigo, eu falo especificamente em relação à fazer magias/feitiços (de acordo com a crença dentro da bruxaria), não necessariamente envio de energias (como reiki) ou terapias diversas, cada religião, forma de manifestar a espiritualidade, filosofia ou terapia tem sua forma própria de lidar com estas intenções energéticas.

      O que posso te falar é que dentro do que você está fazendo como uma doação voluntária de cura guiada pelos seus mestres, já é uma outra situação, mesmo porque o seu estado mental não está em se envolver na vida da pessoa, mas com a intenção do bem. Lembre-se que o que manda é sempre a mente. Certamente seus guias te auxiliam e te protegem nesse caminho, a confiança dessa proteção é a chave fundamental de tudo.

      Porderíamos citar muitas coisas aqui, como no caso de ser uma missão de vida da pessoa de levar a cura (e automaticamente ela já ter uma proteção para isso), e por aí vaí.

      O importante é a sua intenção, o respeito que você tem para com os mentores do local ou pessoa a receber e a segurança que você está protegida pela sua crença.

      Grande abraço!!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Artigos Relacionados

Dias 05 e 06/07, com ingresso presencial ou online
Instituto Círculo