Bem-estar psíquico continua preocupante, revela relatório mundial

O Brasil está em 3º lugar

O brasileiro, em geral, não recuperou o declínio do bem-estar psíquico observado durante a pandemia da Covid-19. Foi o que revelou o relatório anual do Estado Mental do Mundo, divulgado em 1 de março, encomendado pela organização de pesquisa sem fins lucrativos Sapien Labs. O Brasil está em terceiro lugar dentro de um ranking com 64 países, à frente apenas do Reino Unido e da África do Sul e 11 pontos abaixo da média geral.

A pesquisa coletou 407.959 respostas pela internet, quase meio milhão de indivíduos, de países de todos os continentes habitáveis do planeta, em nove idiomas diferentes. Em sua terceira edição – a primeira incluindo o Brasil –, o relatório busca traçar um panorama da saúde mental da população mundial e também de cada nação.

Para isso, foi atribuída uma nota a cada entrevistado a partir de aspectos emocionais, sociais e cognitivos no chamado quociente de saúde mental (MHQ, da sigla em inglês), uma escala de 300 pontos que vai de -100 a 200. Nela, as pontuações negativas (de -100 a 0, classificadas como indivíduos “sofrendo” ou “lutando”) indicam um impacto ruim, geralmente associado a 5 sintomas negativos de saúde mental ou mais.

Já aqueles acima de 100 (de 100 a 200, classificados como pessoas que estão “tendo sucesso” ou “prosperando”) são considerados os positivos, com uma bom bem-estar psíquico. Com isso, é gerada uma média das respostas para cada país, e para o mundo, que fica entre 0 e 100 – quanto mais perto de 0, mais pessoas sofrendo e, quanto mais perto de 100, mais indivíduos com uma boa saúde mental.

No geral, o mundo registrou um MHQ de 64, com 27% dos respondentes registrando notas negativas e 38% com pontuações acima de 100. Embora o número de pessoas com registros positivos seja maior, ele sofreu um declínio acentuado em 2020, com a pandemia, que ainda não foi revertido.

Em 2019, numa pesquisa com uma amostra menor de países, a nota foi 90, 26 pontos superior à atual. No ano seguinte, com a Covid-19, despencou para 66. Em seguida, na edição do relatório de 2021, que já contava com 34 países, o índice desceu para 64. No ano passado, a nota se manteve estável, porém no patamar mais baixo. No mesmo período, o percentual de pessoas “sofrendo” ou “lutando” aumentou de 14% para 27%.

“Em 2022, o bem-estar mental permaneceu o mesmo de 2021, não apresentando recuperação após o declínio substancial de dois anos associado à pandemia de Covid-19. Assim como no pico da pandemia, quase um terço da população ainda lutava com sua saúde mental”, escreveram os autores.

Já o Brasil estreou na pesquisa com um MHQ de 52,9, atrás apenas da África do Sul, que teve uma nota de 47,5, e do Reino Unido, que pontuou 46,2 – o pior índice de todos os países analisados. Em relação ao percentual de pessoas com saúde mental negativa, 33,5% brasileiros (1 a cada 3) relataram múltiplos sintomas, terceiro país com a maior proporção atrás também das nações africana e europeia.

Na outra ponta, Tanzânia, Panamá e Porto Rico tiveram as maiores notas do quociente: 93,6; 88,2 e 88, respectivamente. Já os países com menor percentual de pessoas sofrendo foram Sri Lanka (16,1%); Porto Rico (17,4%) e República Democrática do Congo (17,4%).

O relatório destaca ainda que a população jovem é a mais afetada, com aqueles entre 18 e 24 anos tendo uma probabilidade cinco vezes maior de relatar queixas de saúde mental em comparação com a geração de seus avós.

“Não há uma única região, grupo linguístico ou país onde o declínio do bem-estar mental em gerações sucessivamente mais jovens não é aparente. Isso se traduz em um aumento dramático na porcentagem de cada geração mais jovem que está mentalmente angustiada ou lutando em um nível qualificável como de natureza clínica ou requerendo ajuda profissional”, escrevem os autores.

O Brasil é o nono país com essa maior discrepância: são 39% mais pessoas de 18 a 24 anos relatando os problemas quando comparado aos de 55 a 64 anos. Os pesquisadores ressaltam ainda que esse é um padrão anterior à pandemia.

Fonte: https://oglobo.globo.com/saude/bem-estar/noticia/2023/03/brasil-tem-terceiro-pior-indice-de-saude-mental-em-ranking-com-64-paises.ghtml

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Artigos Relacionados

por Juliano Pozati
por Grazieli Gotardo