Aquilo que o outro tiver de melhor… (LAB 42)

Diário Espiritual

Participantes: Fernanda, Larissa, Mônica, Adriana, Juliana, Juliano e Rene
Data: 17 de agosto de 2021
Via Zoom

COMUNICAÇÕES

Egrégora (psicofonia Juliano): Existem ainda conexões latentes que precisam ser realizadas no plano físico para que o circuito do fluxo se complete. Observem com sabedoria o movimento das pessoas e organizações ao redor do Círculo, para compreender como processos de integração levarão a uma realização concêntrica que deve reverberar, ir além, chegar a margens nunca antes imaginadas. Alcançaremos margens nunca antes imaginadas, mas esta rede de conexões, para as quais nenhuma barreira há de se impor, precisa ser ativada. Observem atentamente, porque estaremos movendo um campo e sinalizando para cada um o movimento a ser feito. Confiem no que estamos dizendo, na certeza de que toda a façanha há de se revelar, em um futuro breve, projeto consolidado.

Juliano: O que passou foi vindo palavra por palavra no plano mental, agora parou…

Juliana: Tô com uma frase desde o início da reunião: “Diga-me com quem andas e te direi quem és”.

Egrégora (psicofonia Juliana): Um famoso jargão: “Diga-me com quem andas e te direi quem és” deve ser compreendido no círculo observando o multicolorido de conhecimentos, de conhecidos e de amigos, que são agregados dentro da escola e dentro do movimento. A cada um com quem o Círculo anda, a cada um com quem o Círculo faz novas amizades, agrega novos conhecimentos, novas ferramentas para a caminhada exoconsciente. Assim, meus queridos, olhem para aqueles que já vieram, para aqueles que estão e para aqueles que estão vindo. Lembrem-se de agregar aquilo que eles têm de melhor, assim, entrando em sincronia e ressonância, aquilo que o outro tiver de melhor, também será  aquilo que o Círculo terá de melhor. Lembrem-se também, de aprender com os fracassos e as dificuldades que são compartilhadas e divididas por aqueles com quem tu andas. É nesse intercâmbio multicolorido que se formam as bases, o livre pensamento, o livre movimento que intencionamos e buscamos. Fiquem atentos e abertos às novas e antigas amizades. Sempre avante, meus filhos.

Egrégora (psicofonia Juliano): Há algumas decisões que deverão ser tomadas no que tange ao acolhimento dos novos alunos. A jornada de mentoria exoconsciente deve privilegiar a construção de relacionamentos que tenham a possibilidade de se estender para além do perímetro dos encontros virtuais, pois a vida é pra valer, e é no companheirismo, na presença e no suporte mútuo, que os novos alunos poderão encontrar o dinamismo necessário no fazer exoconsciente. Privilegiem as relações. Compreendam que toda oportunidade de troca é, por si só, uma porta aberta ao novo e ao fluir. Também gostaríamos de informar, que de nossa parte, já que nem sempre conseguimos falar nas reuniões de segunda-feira, que o senhor Montagne Keen em parceria com Madame Bradshaw e outros espíritos, têm se juntado a este trabalho, empreendem uma verdadeira excursão, do lado de lá do globo, angariando e movimentando os recursos necessários para iniciarmos os trabalhos de consolidação da presença do Círculo na língua estrangeira. É claro, e vocês sabem, mas não nos custa lembrar, que os processos de reverberação entre o que movemos na nossa dimensão e o que se manifesta na dimensão onde vocês se contêm, podem às vezes sofrer pequenas interrupções ou pequenas descontinuidades no encadeamento do tempo, mas o que já é aqui, será aí, porque essa é a lei.

Egrégora (psicofonia Mônica): Sim, meus queridos, estamos comprometidos em fazer essa escola atuar de maneira profunda nos corações de todos aqueles que estão despertando neste momento de transição planetária. Vocês perceberão, até pela receptividade dos alunos, que eles estão tocados e que eles estão realmente engajados para fazer reverberar e movimentar todas essas energias que estão sendo aportadas através das aulas e dos encontros. Portanto, aproveitem e se envolvam também. Esta é uma escola que se faz presente através do corpo docente que já se estabeleceu e dos novos que chegarão. Vocês assumiram este compromisso e nós estaremos aos seus lados dando o apoio, dando incentivo, auxiliando naqueles momentos em que se é necessário falar em público, em que é necessário expor uma linha de pensamento. Imaginem-se com a mesma facilidade que têm aqui, durante os nossos encontros no Lab, porque é o mesmo mecanismo. Estaremos atuando através de vocês da mesma maneira que fazemos aqui. Serão momentos de cocriação. Estaremos utilizando do aporte do que vocês trazem e também, acrescentando na medida do possível, toda tecnologia, todas as informações e todo o contexto energético necessário neste empreendimento.

Portanto, meus queridos, nós reiteramos o convite para que vocês se disponham, estejam sintonizados, estejam nas noites se colocando à disposição do trabalho também e dos encontros, porque é grande o movimento que se vê deste lado e consequentemente reverberará, aí, no lado de vocês. Estaremos de mãos dadas, pensamentos uníssonos,  trabalhando em conjunto, em parceria. Estaremos também, cuidando para aqueles que ainda hesitam em transitar por esses dois lados que tenham momentos de perceber a importância e a longevidade deste empreendimento. E com vocês que estão aqui hoje, nós agradecemos e transmitimos os cumprimentos de toda a nossa equipe, de todos aqueles que estão aqui vibrando e aportando, cada um dentro da sua área, dentro do seu conhecimento, fazendo com que esse nosso grande caldo, essa nossa grande panela, onde o Rene já fez esta imagem numa outra oportunidade, nós estamos aqui colocando também o nosso tempero, engrossando esse caldo, fazendo ele substancioso, nutritivo, que ele seja revigorante, que ele seja o alimento necessário para aquecer os vossos corações e trazer energia e disposição, para empreenderem durante a vossa jornada. Muito obrigada, meus queridos, e sigamos confiantes no porvir. Nosso fraterno abraço.

Egrégora – outro comunicante (psicofonia Mônica): E agora, com o intuito de acalmar a forte energia, nós pedimos um momento de introspecção, de respirar, tranquilizando a mente, o coração. Porque a jornada, como foi descrita, é para trabalhar com vigor, mas também com o coração em paz, tranquilo e sereno, garantindo o equilíbrio da balança, garantindo serenidade no discernimento, no envolvimento, no lidar com o outro e no lidar com as questões do dia a dia. Saibam que é importante alternar ambos os tipos de energia que ora realiza, faz, acontece, e que ora pede movimento interno, de tranquilidade, de paz e serenidade, porque precisamos desse equilíbrio para atuar e para manter a saúde de vossos corpos. Por isso, respirar com tranquilidade, sentindo o amor, a vibração tênue, as cores mais suaves, isso, de certo modo, é energizante também. Obrigada.

Egrégora (psicofonia Juliana): Meus queridos, lembrem-se de aproveitar toda a energia que vem junto com os calouros, que vem com aquela vontade que está durante muito tempo guardada, e agora encontram um local para expressar toda essa energia condensada. Esse dealbar primaveril, que traz a primavera com essa energia de renovação, será de grande auxílio para as mentorias que se iniciam. Obviamente, também não devem se esquecer dos alunos mais antigos, os quais poderão atuar também um pouco no papel de monitores, uma vez que podem trazer a sua experiência pregressa, mas também se aproveitar dessa nova energia, energia fresca. Esse intercâmbio será muito proveitoso.

É importante mapear, durante as mentorias, os alunos que são de cada fase do Círculo. Essa informação será importante para a coleta e análise da equipe. Lembrem-se de que sempre estamos aqui para tirar suas dúvidas, para auxiliar em exercícios de campo, para inspirá-los. Não hesitem em pedir ajuda, pois o livre arbítrio continua sendo absoluto e apenas podemos colaborar quando há abertura consciencial e emocional para tanto. Um cheiro no coração de cada um. Assinado, A Equipe.

Larissa: Eu tive a impressão de ver uma comunidade em forma de círculo, como se fosse uma aldeia, no pé de um desfiladeiro, tipo um cânion, como se fosse uma comunidade muito antiga, parecendo um kibutz.

Mônica: Me veio muito a palavra “intraterreno”, mas foi só isso.

Adriana: Essa questão do acolhimento dos novos alunos tem aparecido com bastante frequência. Eu percebo que o que eles querem, o que eles mostram, é a forma com que querem que a gente faça isso, querendo mostrar a forma com que a gente tem que fazer esse acolhimento, essa conexão com eles, como que querendo algo diferente, parece. Eu acho que é assim: a Fefa me passou o negócio do curso de oratória, e a gente vê que muita coisa é a forma com que a gente faz para fazer a conexão. O conteúdo é uma porcentagem mínima diante do que a gente tem que fazer, e a gente tem que estar atento a esse outro resto para fazer essa conexão.

Juliana: A imagem que eu via é exatamente o que a mensagem falou de relacionamento, todo aquele negócio de calouro, de quando todo mundo se encontra, naquela energia de início de faculdade, que tudo é curioso, em que se está com uma abertura muito grande. E depois aquilo passa a ser um universo comum, é como se perdesse uma oportunidade, tem um gap muito importante para se trazer muita coisa, para se criar uma cultura diferente. Era essa imagem que vinha.

Adriana: Aproveitar essa paixão do começo, esse tesão do começo, desse gás todo, é nessa hora que tem que fazer isso que você está dizendo, né?

Juliana: Esse gás vai acabar. Tipo, algumas pessoas até mais antigas entram nessa energia, é uma energia impulsionadora. Pegar essa energia dos calouros que impulsiona o grupo inteiro, mas aí teria que pensar numa dinâmica para trazer esse relacionamento dos calouros… permitir que eles falem, porque às vezes as pessoas mais antigas falam mais e os calouros ficam mais envergonhados.

Rene: O que é a parte de “priorizar relações mais duradouras”? O que eles quiseram dizer? Sobre priorizar os alunos que vão ter uma relação mais duradoura.

Mônica: Eu entendi outra coisa… que eles tem que se relacionar entre eles, aproveitar quem tá na mesma cidade, se encontrar fisicamente.

Fernanda: A gente estimular relacionamentos duradouros entre eles. Talvez, pensar em dinâmicas mais extensas, no sentido de permitir deles relacionarem-se entre si.

Juliano: A gente pode criar um pequeno documento com bullets dessas orientações e ir cabeceando com os mentores mês a mês… os que não participaram dessa reunião, é claro (risos). Criar um “desejáveis”, tipo “Desejamos que os alunos possam estabelecer relações duradouras entre si. Estimule isso.” Vale a pena, pegar todas essas mensagens de hoje a partir delas fazer uma lista de bullets, sabe? “Desejáveis da egrégora”.

Fernanda: E o que eles falaram de acompanhar os alunos que vão participar da mentoria e mapear qual fase que cada um entrou no Círculo.

Juliano: Podemos estimular: renomeie o seu usuário do Zoom com seu nome e o ano que você entrou no Círculo.

Rene: O curso de exoconsciência já tem todos os vídeos liberados, então quando ele se inscreve ele já está com todos os vídeos.

Juliano: Nosso estímulo é que ele estude antes, estude aquele módulo até a mentoria.

Juliana: A mentoria vai ser para você colocar aquele conhecimento em prática.

Adriana: Os antigos podem dar a contribuição deles. Podem vir coisas legais, bem interessante isso. A Mônica tem bastante destreza nisso, eu entro fazendo a palhaçada e você já entra com a paciência.

Mônica: Eu tenho me surpreendido porque eu assumo a persona e eu falo mais do que eu costumo falar. Realmente a egrégora tem apostado fichas, tem dado corda para funcionar direitinho eu vou agitar isso aí.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Artigos Relacionados

por Juliano Pozati
por Grazieli Gotardo